FLUIDO DE ARREFECIMENTO

FLUIDO DE ARREFECIMENTO
Postado em: 25 de junho de 2018
Compartilhe

Fluido de Arrefecimento

.

Lube Center Troca de Óleo

.

.

Um dos sistemas mais importantes de um motor de combustão interna é seu sistema de arrefecimento, cuja finalidade é manter estável a temperatura do motor durante seu funcionamento, evitando danos nos diversos componentes do motor. Existem dois tipos básicos de arrefecimento: motores arrefecidos a ar e motores de arrefecidos a líquido. No caso dos motores arrefecidos a ar, o controle da temperatura do motor se dá através da troca de calor efetuada por aletas montadas nas superfícies do motor com o ar do meio ambiente. Sem dúvida este sistema é o simples, praticamente dispensa manutenção, mas é ineficaz para motores de maior potencia, já que a eficiência deste tipo de sistema é baixa em alguns casos.

.

Para motores de maior potência, onde a geração de calor é maior, utiliza-se o sistema de arrefecimento a líquido, que apesar de mais complexo, garante uma vida útil maior ao motor devido a sua capacidade de dissipar calor a uma taxa bem mais alta, se comparada a um motor com arrefecimento a ar, o que se traduz em uma performance mais elevada e vida útil maior do motor . Este sistema é composto pelo bloco do motor, por onde circulará boa parte do fluido de arrefecimento, bomba do fluido de arrefecimento, também conhecida como bomba d’água, o conjunto do radiador, válvula termostática, mangueiras entre outros. O objeto deste texto será o de abordar o fluido de arrefecimento.

.

.

No passado era prática utilizar-se água como fluido de arrefecimento. De fato a água, além de ser facilmente encontrada, ainda tinha como ponto positivo o seu custo, que era praticamente zero, além de possuir boa condutividade térmica. A água porém possui suas desvantagens. Ela é rica em cálcio, o que com o tempo, acaba se sedimentando nas paredes dos dutos do circuito de arrefecimento, causando obstruções no radiador, nos canais de circulação de fluido do bloco do motor, incrustações na bomba d’água gerando cavitação e consequentes danos, danificar a válvula termostática e por conseguinte, causando perda na performance do sistema como um todo. Fora isto, ainda existe o fato de que o ponto de ebulição da água que é próximo de 100 graus Celsius, é inadequado para alguns motores de alto rendimento que geram grande quantidade de calor, o que faz com que a água ferva, causando perda de eficiência na troca de calor, podendo causar fissuras no bloco, travamento dos pistões além de outros danos no motor. Em países de inverno rigoroso, a água ainda apresenta o inconveniente de congelar dentro do motor toda vez que a temperatura ambiente atinja zero graus Celsius, o que aliás é pouco comum em nosso pais. Além disto, íons livres presentes na água podem favorecer o aparecimento da corrosão eletrolítica, atacando diversos componentes metálicos em que a água entre em contato.

.

Para resolver tais questões, a industria automobilística desenvolveu um fluido específico para atender a todos estes pontos, o chamado fluido de arrefecimento. Este fluido possui uma base feita a partir de água desmineralizada, deionizada, livre de teores de cálcio, silicatos, fosfatos e quaisquer outros elementos que poderiam favorecer uma eventual formação de incrustações. Além disto, entra na base da formulação do fluido de arrefecimento o monoetilenoglicol, responsável pelo aumento do ponto de ebulição da água e também do rebaixamento do ponto de congelamento da mesma. Também são acrescidos em sua formulação elementos de base alcalina que inibe a formação de ácidos que também poderiam causar danos nas superfícies metálicas em que a água entrasse em contato, mantendo o PH da água neutro de forma a também não atacar os diversos elementos de vedação do motor, como juntas, o-rings, etc., além de evitar a formação de espuma no sistema como um todo, comprometendo mais uma vez a sua eficiência. Como se pode ver, a formulação deste produto é complexa e leva em conta uma série de variáveis que se não forem devidamente atendidas colocam em risco a vida útil do motor.

.

.

Infelizmente o mercado brasileiro para este produto atualmente encontra-se bastante prostituído. Existem diversas marcas no mercado que sequer atendem aos requisitos mínimos de performance, sem considerar vários dos pontos aqui levantados. Muitos deles, focando apenas baixo preço do produto, omitem até mesmo o emprego do monoetilenoglicol em sua formulação, em detrimento da performance do produto, lesando o consumidor final.

.
É importante notar que os fluidos de arrefecimento de base orgânica são os mais recomendáveis por serem biodegradáveis, ao contrario dos de base sintética, normalmente de coloração verde, que agridem o meio ambiente. Este produto pode ser encontrado no mercado de duas formas, pronto para uso ou concentrado, devendo ser diluído na proporção especificada pelo fabricante em água desmineralizada. Usualmente um motor de um carro de passeio utiliza em média de 3 a 4 litros deste produto em seu sistema de arrefecimento.

.

Texto fornecido por:
Eduardo Ude, Engenheiro Mecânico – responsável pela Lube Center Troca de Óleo

.

.

 

 

Para mais Informações e Agendamento de Serviços, entre em contato com a Lube Center:

(031) 3657-8420

(031) 99103-1707