Mitos e verdades sobre a troca de óleo no motor do seu carro

Mitos e verdades sobre a troca de óleo no motor do seu carro
Postado em: 22 de julho de 2020
Compartilhe

A troca de óleo é algo simples, mas que merece total atenção do proprietário do veículo. Isso porque, o óleo no motor é o responsável por lubrificar as peças automotivas e quando não é trocado pode causar desde danos mais simples, como redução de desempenho e aumento do consumo de combustível ou até mesmo fundir o motor. Contudo, por mais que seja um processo relativamente barato, muitos motoristas acabam por não realizar essa etapa, ou realizam da forma errada. Por isso, veja os principais mitos e verdades sobre a troca de óleo nesse post!

O óleo deve ser trocado a cada 5 mil km rodados

Mito. Cada fabricante possui uma quilometragem definida e pode variar de acordo com modelo do carro, ano, marca, etc. Sendo assim, a recomendação a ser seguida deve ser sempre verificada no manual do proprietário disponibilizado pela fabricante do seu veículo.

Alguns carros precisam realizar a troca de óleo a cada 10 mil km, outros 15 mil, 20 mil, 5 mil… ou seja, a variedade é enorme e não é possível generalizar para todos os automóveis. O ideal é que ao descobrir o intervalo recomendado para seu carro, é importante anotar em uma agenda ou no celular para que as trocas sejam feitas regularmente para evitar problemas no motor e possíveis serviços de retífica.

O óleo precisa estar escuro

Verdade. Quando a troca de óleo é feita, é possível identificar que sua cor é bem mais escura se comparada a óleos novos, chegando até mesmo no preto. Por mais simples que seja, isso é um bom sinal, pois mostra que o óleo conseguiu cumprir uma de suas funções que é limpar as impurezas do motor. É muito comum as pessoas confundirem, mas quando o óleo está escuro significa que ele é de boa qualidade.

O filtro deve ser trocado sempre junto com o óleo

Verdade. Como atualmente os óleos utilizados são sintéticos e por este motivo são utilizados pelo menos por 10.000 km, recomenda-se a troca do filtro de óleo para cada troca de óleo do motor.

Os aditivos são recomendados pelas montadoras

Mito. Elas não recomendam utilizar aditivos, visto que o óleo já possui um pacote balanceado e ao utilizar ainda mais é possível prejudicar o motor, não sendo necessário seu uso.

O óleo sintético é a melhor opção

Verdade. Por mais que possua maior custo do que os demais, o óleo sintético é o mais recomendado por especialistas, mesmo em carros populares. Isso porque, ele promove benefícios a longo prazo, como partidas mais rápidas, economia de combustível, conservação do motor de arranque, bateria, diminuição do desgaste e até mesmo maior vida útil do motor. É importante pensar no óleo como um investimento e não apenas um gasto.

Os tipos de óleo não possuem diferença

Mito. Por mais que seja uma questão técnica, é de suma importância entender a diferença entre os óleos para não estragar seu motor.

O óleo sintético, por exemplo, é aquele produzido artificialmente em laboratório, sendo possível controlar todas as suas propriedades. Por isso, ele é mais indicado para carros mais novos, visto que é menos espesso. Carros com mais de 3 anos de uso, o mais indicado é o óleo mineral, que é um pouco mais grosso. Esse segundo tipo é produzido por meio da separação de substâncias do petróleo, possuindo diversos elementos em sua composição. Por fim, o óleo semi-sintético é uma mistura dos óleos anteriores e possui as melhores propriedades de cada um.

Para trocar o óleo o motor precisa estar quente

Verdade. Aqui pode haver confusão, pois para verificar o nível do óleo o motor precisa estar frio para que fique mais espesso. Contudo, recomenda-se a troca com o motor quente. Isso porque, o óleo quente se torna fino e escorre com maior facilidade, tornando o processo de troca mais rápido.

Deve sempre seguir a recomendação da montadora quanto ao tipo de óleo

Verdade. Não confunda com as marcas de óleo, mas sim a recomendação da fabricante em relação à viscosidade e ao API do produto. Essas informações também estão disponíveis no manual do proprietário e na embalagem do óleo comprado, sendo possível analisar antes de adquiri-lo. É importante seguir essa recomendação, pois utilizar óleos com viscosidade diferente da recomendada pode causar diversos problemas no carro.

Pode misturar vários tipos de óleo

Mito. Misturar os diferentes tipos de óleo pode causar diversos problemas para seu carro e gastos ainda maiores. Isso porque, como falado, cada óleo possui suas propriedades específicas, sendo indicado para tipos de carros diferentes. Caso misture os óleos, o motor acaba se desgastando muito mais rápido, diminuindo sua eficiência, aumentando o consumo de combustível e reduzindo a capacidade de lubrificação. Não há problema em misturar diferentes marcas, desde que seja o mesmo tipo de óleo.

Agora que você descobriu os principais mitos e verdades sobre a troca de óleo, fica muito mais fácil realizá-la da forma correta, certo?